Paisagens da Nova Zelândia: lugares inspiradores para conhecer

por Guilherme Tetamanti

Paisagens da Nova Zelândia: lugares inspiradores para conhecer

Fiordes de tirar o fôlego, montanhas brancas de neve, glaciares forrando a paisagem. Baías e lagos compondo o cenário que cerca a porção de terra de águas por todos os lados. Carneiros, ovelhas e cordeiros pontilhando de tufos alvos vales verdes que vos quero verdes.

Ao sul da linha do Equador, sem fronteiras, a Noruega e a Suíça. Poderia ser delírio se não existisse a Ilha do Sul, a parte mais extensa e menos povoada do arquipélago da Nova Zelândia. Para que não restem dúvidas, trechos da topografia acidentada da região ostentam nomes como Fiordland e Alpes Meridionais e são, fato raro, cópias com a qualidade dos originais. Bem vindo ao turismo na Nova Zelândia.

Recomendo => Como encontrar os melhores hotéis no Booking.com

Dicas para acumular milhas aéreas »

Turismo na Nova Zelândia.

A conformação territorial das duas principais ilhas do arquipélago lembra a “bota” italiana, mas de cabeça para baixo e dividida na altura do “tornozelo” pelo estreito de Cook, onde fica a capital, Wellington. A Ilha do Norte é o “pé” e a Ilha do Sul, mais a pequena ilha Stewart, o “cano”… urna terra em que a natureza se mostra em momentos de grande inspiração, nas reentrâncias que penetram fundo as montanhas e ligam o mar ao lago, na cordilheira que acompanha o sentido longitudinal da ilha — e prossegue na Ilha do Norte, com atividade vulcânica em montes como o Egmont, Ngauruhoe e Ruapehu, mais fumarolas, gêiseres, nascentes quentes e solfataras —, nos vastos depósitos de gelo que descem pelas vertentes.

O contraste entre o mar e a terra cria harmonias como Doubtful Sound, Dusky Sound e Milford Sound, já descrito por Rudyard Kipling como a oitava maravilha do mundo. O escritor inglês pode ter pecado pelo uso do lugar-comum, mas é impossível tirar o status de “maravilha” a essa sucessão extremamente bem arranjada de lagos, montanhas e rios emoldurada por densas florestas e situada na costa oeste da Ilha do Sul, banhada pelo mar da Tasmânia. Segundo os geólogos, os milagres da paisagem se devem à erosão glaciária. Ao longo de 2 milhões de anos, até cerca de 10 mil anos atrás, moldaram-se os elementos que fazem da Ilha do Sul um museu de formas glaciárias e periglaciárias, como os fiordes e os lagos.

Conhecer a cultura maori é opção de turismo.

Para os maoris, os primitivos habitantes das ilhas, nada mais elementar. A Ilha do Sul era simplesmente a Te-Waka-a-Maui, a piroga do semideus Maui, que pescou das profundezas do mar a Ilha do Norte. De fato, o formato retangular da Ilha do Sul lembra uma embarcação primitiva, e os estudos provam que é mais antiga que a Ilha do Norte. Mas, ao contrário da concavidade de um tronco escavado, são as superfícies convexas que caracterizam essa piroga que flutua a leste da Austrália, entre os paralelos 402 e 502. Mais de 200 picos que superam o limite das neves eternas se alinham ao longo dos Alpes Meridionais, na costa oeste da ilha. Entre eles, duas dezenas ultrapassam a altitude de 3 mil metros, a exemplo do Monte Cook (3.764 metros), o mais alto.

“Aorangi” para os maoris, o pico é o centro do Parque Nacional Monte Cook, uma das várias áreas de preservação ambiental da Ilha do Sul, e suas vertentes são cobertas por camadas de gelo e neve como o glaciar Tasman, deslumbrante tapete que se estende por 30 quilômetros. Quem quiser, pode profanar o branco, vestir roupas supercoloridas e praticar esqui no glaciar. São dez quilômetros de “pista”, povoados por fendas gigantescas, formas de gelo — e neve, muita neve, para matar a saudade de qualquer suíço. Mais ao sul, outros glaciares, como o Fox e o Franz Josef, e, mais abaixo, no extremo sudoeste da ilha, um cenário para matar a saudade dos noruegueses.

 

 
 

Aqui estão alguns dos principais motivos do porquê recomendamos de olhos fechados esses passeios da GetYourGuide na Nova Zelândia. Temos certeza de que ao contratar tours e excursões, você vai amar sua experiência:

  • Milhares de atividades imperdíveis para todas as idades e interesses;
  • Os preços mais baixos, garantidos - sem taxas de reserva ou cobranças ocultas;
  • Faça a pré-reserva de ingressos e pule a fila nas principais atrações com o inventário exclusivo de ingressos;
  • Mantenha-se flexível com cancelamento fácil até 24 horas antes;
  • Pagamento e bilhetes otimizados para celular para reservas onde você estiver;
  • Atendimento ao cliente amigável e experiente, disponível 24/7 no seu idioma.
 

Milford Sound: a oitava maravilha

Turismo em Milford Sound.

 
Sabia que o Seguro Viagem é essencial para sua segurança no exterior?

Além de ser obrigatório nos países da Europa, a imigração de qualquer país pode solicitar o documento para permitir ou negar sua entrada.

Faça uma cotação online na Seguros Promo, comparando o preço nas melhores seguradoras. Aproveite e ganhe até 20% de desconto usando o cupom BNOVEMBER, é só clicar no botão.

Conheça as principais vantagens:

  • Melhor preço garantido, cobertura de qualquer oferta de seguro viagem;
  • Assistência médica e hospitalar, seguro de cancelamento e atraso de voos, seguro bagagem, reembolso com despesas médicas e muito mais;
  • É mais barato do que comprar direto nas seguradoras;
  • Cancelamento da contratação sem taxas até 48 horas antes da viagem;
  • Parcelamento em 12x sem juros nos cartões de crédito;
  • Compras com boleto bancário têm 5% de desconto;
  • Atendimento ao cliente 24hs em português.
 

A Fiordland é um dos maiores parques nacionais do mundo, tem 1,2 milhão de hectares e se apresenta como nos tempos da criação. Para isso, contribuem o isolamento e o relevo acidentado, atravessado por um só caminho. É lá que ficam Doubtful Sound, Dusky Sound, Milford Sound e outros fiordes de magnífica beleza, com margens rochosas que se elevam a 1.200 metros, acessíveis principalmente a partir do mar. Mas há também os fiordes dos lagos de montanha. como o Manapouri e o Te Anau, com canais a oeste. Até o começo dos anos 50, quando foram abertos uma estrada e o túnel Homer, somente se chegava por terra a Milford Sound após três dias e através de 50 quilômetros de mata — Milford Track foi definido o mais belo passeio do mundo.

Há quem diga que Fiordland é para a Nova Zelândia o que a Mona Lisa é para o Museu do Louvre. A comparação pouco imaginativa lembra a frase de Kipling, mas basta contemplar os três saltos de Sutherland Falis, as quedas d’água descobertas por um certo Donald Sutherland — nada a ver com o ator canadense —, despencando do lago Quill, a 580 metros de altura, para constatar que não é exagerada. Sutherland construiu uma cabana na margem de Milford Sound, em 1875, e lá viveu dos 36 aos 80 anos, quando morreu. Sucumbiu ao fascínio dessa região de águas e montanhas que, hoje, abre-se com facilidade e conforto para o visitante — barcos de turismo percorrem os meandros dos fiordes, ônibus ziguezagueiam pelas montanhas até Queenstown ou Te Anau.

Dicas de turismo na Nova Zelândia.

Queenstown, às margens do lago Wakatipu, é a capital do turismo na região. Por vários motivos. A oeste, exibe a cadeia de montanhas The Remarkables, de picos nevados, vertentes abruptas e trilhas na mata. Ao sul, o lago Wakatipu, a casa de um taniwha, ou seja, um monstro. É assim que os maoris explicam um fenômeno que intriga os geólogos: a cada 15 minutos, a água sobe ou desce 7 centímetros, como se o lago respirasse. Os geólogos ainda discutem os motivos, que tanto poderia ser a formação rochosa do fundo do lago ou sua ligação com os glaciares. Nas proximidades de Queenstown ficam ainda os antigos campos auríferos de Otago e as melhores pistas de esqui da Ilha do Sul.

Christchurch, entre o rio Waimakariri e Lyttelton Harbour, na costa leste, a metrópole da Ilha do Sul, tem 320 mil habitantes e permite que o visitante se abasteça de vida urbana — no british style — antes de voltar ao encontro da natureza. Em Kaikoura, a duas horas e meia, na direção norte, pode-se observar baleias que brincam a pouca distância do barco. Em Otago Harbour, a quatro horas, na direção sul, é a vez de ver albatrozes, focas, gaivotas, golfinhos e pinguins, fauna típica das regiões temperadas. Quem quiser ver tudo isso sem sair de Christchurch pode ir ao International Antarctic Centre, a 20 minutos do centro. Ali está uma amostra da vida antártica — a Nova Zelândia administra a dependência de Ross, na Antártida, desde 1923.

Planejando alugar um carro na Nova Zelândia?
Dicas definitivas para alugar carros baratos em viagens

 
Sabia que aprender através de cursos on-line nunca foi tão fácil?

Assista seus cursos pelo computador, tablet ou até mesmo pelo celular!

Devido a nossa parceria com a Learn Café, você terá acesso a cursos para todas as áreas do conhecimento, com alta qualidade, comodidade e de forma acessível. Cursos online para você:

  • Aprender rápido e ganhar dinheiro;
  • Se preparar para um novo emprego;
  • Melhorar seu currículo;
  • Continuar aprendendo sempre!
 

 

As terras dos caçadores de moas

Turismo no Parque Nacional de Abel Tasman.

Em dezembro de 1642, quando o navegador holandês Abel Janszoon Tasman descobriu a Nova Zelândia para a Europa, os maoris lá estavam há pelo menos mil anos, já não eram simples caçadores de moas e envolviam-se em acirradas disputas intertribais. Tasman chegou pelo oeste da Ilha do Sul, desembarcou perto de onde está hoje a pequena cidade de Hokitika, surpreendeu-se com as altas montanhas dos Alpes Meridionais e descreveu a região como uma “grande terra elevada”. Navegou ao longo da costa do arquipélago durante 20 dias, aproximou-se do estreito que separa as ilhas do Norte e do Sul, julgou tratar-se de uma baia e prosseguiu viagem.

O encontro com os maoris aconteceu na parte noroeste da Ilha do Sul. Foi desastroso. Tasman deixou um desenho em que retrata a aproximação das canoas maoris de seus navios, o Heemskerk e o Zeehaen. Eram guerreiros em defesa de seus territórios e atacaram, causando quatro baixas entre os marinheiros holandeses — mas houve mortes também do lado maori. Tasman deu o nome de “Baia dos Assassinos” ao local, mas a história se encarregou de mudar a denominação para Golden Bay, Baia do Ouro, assim que se descobriu ouro nas vizinhanças. A missão holandesa ia em busca do continente do sul, a Terra Australis Incognita, e descobriu ainda a grande ilha abaixo da Austrália, que ganhou o nome de seu comandante: Tasmânia. O mar da Tasmânia, que separa a Austrália da Nova Zelândia, lembra mais uma vez o comandante.

O Abel Tasman National Park, um lugar de trilhas tranquilas, angras e enseadas sossegadas, e farta vegetação, também é dedicado ao descobridor — e há um memorial a caminho do parque. Mas há ainda a baia Tasman — ao lado da Golden Bay —, os montes Tasman — na costa das duas baias—, o monte Tasman — ao norte do monte Cook. E Tasman Empire Airways era o nome anterior da Air New Zealand, a companhia aérea de bandeira do país. Homenagens justas, pois Abel Tasman descobriu uma espécie de museu vivo da natureza, com suas formas glaciárias e fauna única. Até a natureza imóvel guarda ali certa mobilidade, como acontece na Ilha do Sul. É o lago que respira, os montes que vertem neve, os fiordes que oxigenam a terra… Para ficar no lugar-comum, é uma das “oitavas maravilhas do mundo”.

Planejando uma viagem de turismo na Nova Zelândia? Ainda tem dúvidas? Gostaria de compartilhar suas histórias? Deixe suas dicas e comentários!

Até + !!!

CATEGORIAS
ESCRITO POR

Guilherme Tetamanti

ESCRITO POR

Guilherme Tetamanti

Paulistano de 37 anos e muita história pra contar. Amo e odeio a selva de pedra, e por isso faço de tudo pra viajar. Sou empresário, administrador de empresas e criador de algumas lojas virtuais. Vendi tudo em 2011 para realizar o sonho de fazer uma viagem de volta ao mundo e praticar fotografia, uma de minhas paixões. Sempre fugi das aulas de redação, mas a vontade de viajar, fazer novas amizades e compartilhar minhas andanças, me motivaram a criar o Quero Viajar Mais.

Organize sua viagem

10 dicas para você
planejar sua viagem

Separamos as principais ofertas dos nossos parceiros para você economizar.
Clique nos itens abaixo e confira:

Icone
Passagens Aéreas

Compre passagens com até 35% off e pgto parcelado

#01
Icone
Onde Ficar

Reserve o hotel pelo Booking, com cancelamento grátis

#02
Icone
Passeios e Tours

Reserve atividades e atrações ao redor do mundo

#03
Icone
Seguro Viagem

Até 20% off e pagamento em até 12x sem juros

#04
Icone
Aluguel de Carro

Reserve com desconto em até 12x sem juros

#05
Icone
Pacotes de Viagem

Viagens nacionais e internacionais em até 12x sem juros

#06
Icone
Ingressos

Reserve as entradas para tours, atividades e espetáculos

 

#07
Icone
Chip de Internet

A melhor conexão 4G no exterior, pelo menor preço

#08
Icone
Problema com Voo?

Seja indenizado pelo atraso ou cancelamento

#09
Icone
Câmbio

Precisa de moeda estrangeira e gostaria de receber em casa?

#10
Icone
Passagens Aéreas

Compre passagens com até 35% off e pgto parcelado

#01
Icone
Onde Ficar

Reserve o hotel pelo Booking, com cancelamento grátis

#02
Icone
Passeios e Tours

Reserve atividades e atrações ao redor do mundo

#03
Icone
Seguro Viagem

Até 20% off e pagamento em até 12x sem juros

#04
Icone
Aluguel de Carro

Reserve com desconto em até 12x sem juros

#05
Icone
Pacotes de Viagem

Viagens nacionais e internacionais em até 12x sem juros

#06
Icone
Ingressos

Reserve as entradas para tours, atividades e espetáculos

 

#07
Icone
Chip de Internet

A melhor conexão 4G no exterior, pelo menor preço

#08
Icone
Problema com Voo?

Seja indenizado pelo atraso ou cancelamento

#09
Icone
Câmbio

Precisa de moeda estrangeira e gostaria de receber em casa?

#10

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentários do post

  1. Guilherme Tetamanti

    Oi Everardes, Cara, difícil responder perguntas tão genéricas. Isso porque minhas respostas seriam: depende! Sobre as passagens, você teria que ver quais são as cias aéreas parceiras da Latam (One World) e usar suas milhas para chegar na Nova Zelândia. Dinheiro, também é difícil dizer. Quanto tempo vai ficar? Pretende trabalhar? Existe um programa para jovens de até 30 anos, que podem trabalhar e estudar lá...se for seu caso, pesquise que vale a pena! Espero que ajude! Abração

  2. Everardes

    Oi Guilherme, sou novo por aqui, nesse site. Meu brother, andei lendo algumas coisas suas e principalmente sobre a Nova Zelândia, vi seus comentários e estou muito afim de ir, mas, não sei por onde começar. Moro em Brasília e tem uns amigos meus que foram morar na Austrália. Como fica melhor minha ída? É melhor eu ir para Austália saindo aqui de Brasíla e depois ir para NZ? Estou com 100 mil milhas na Lantam, como posso usá-las? Quanto tenho que ter de dinheiro para fazer esta viagem, qto devo levar de dinheiro? Se puder me dar umas dicas agradeço desde já. Responde no meu e-mail [email protected] Grande abraço, e boas viagens. Everardes.

  3. Marcio Felix

    A cada texto que leio, minha vontade aumenta. Qual a melhor epoca do ano para ir? Abcos

  4. Guilherme Tetamanti

    Oi Marcio, Com certeza quando a temperatura está aumentando, a partir de outubro. Abs

  5. Wanda Oliveira

    Guilherme Tetamanti!!!!! Finalmente a reportagem e imagens que eu tanto esperei!!!! Maravilhosa essa experiência na Nova Zelândia com os maoris....meu DEUS deve ter sido o máximo conhecer esse que é um dos países que eu adoraria conhecer! Obrigadaaaa....Bjooo...amanhã vou compartilhar no meu face como sempre faço....

  6. Guilherme Tetamanti

    Oi Wanda, Sabia que vc adoraria. Sempre digo que é meu país preferido, pelas diferentes paisagens, rica cultura, desenvolvimento...é simplesmente o lugar perfeito pra mim (no verão...kkkk) Obrigado mais uma vez pelo apoio. Beijo grande